terça-feira, 24 de novembro de 2009

Quando o compromisso é maior

Repito um caso que contei aqui: minha filha foi viajar e me pediu, antes de decidir:

- Se eu precisar, você vai me buscar?

- Claro que sim, minha filha.

E ela foi.

Numa manhã, ela me ligou, chorando, querendo que eu fosse buscá-la. Nem pensei duas vezes. Saí de casa, fui à farmácia, tomei uma injeção e lá fui eu. A injeção? É que eu tinha acordado com uma crise de rins daquelas de prostrar. Mas, já freguês, sabia como eram essas crises. Fui, almoçamos, e voltei. Cento e sessenta quilômetros para ir, outro tanto para voltar. Ao chegarmos, deixei-a na casa de minha mãe e, aí sim, fui para o hospital.

Mais que uma demonstração de amor paternal (ou imbecilidade, como me disseram uns e outros), foi o respeito ao compromisso, Se ela precisasse, eu a buscaria. E assim foi.

Repito a história para dizer que a palavra dada é, para mim, lei. Se falei que faço, farei. Com as devidas ressalvas, claro (a dor poderia ser uma dessas ressalvas. Não foi porque era suportável). Mas o ânimo geral, o que impera, é o de que, se me comprometi, farei tudo o que estiver em meu alcance para cumprir o prometido.

Pode parecer platitude. E é. Mas também é como encaro as coisas. Vejo amigos e conhecidos que assumem compromissos sabendo que não conseguirão cumprir. outros, assumem acreditando que poderão, mas vão desistindo pelo caminho, quando as coisas parecem conspirar contra.

E este é o ponto.

Stephen Covey professa que somente respeitamos compromissos com outras pessoas quando temos o hábito de honrar aqueles assumidos com nós mesmos. Se não conseguimos honrar estes, como esperar que honremos os demais? É um hábito que, devidamente alimentado transforma-se num valor. Passa a incorporar nosso credo, passa a ser importante componente de nossas vidas, como o é a honestidade, a responsabilidade, a credibilidade.

Quando o compromisso que assumimos representa essa valor, e não meras palavras, ele tem força de lei. Ou deveria ter.

Este conjunto de platitudes aqui reunidas é para reafirmar minha crença no respeito aos compromissos assumidos.

Tenho dito.