quinta-feira, 30 de abril de 2009

O maior vendedor do mundo

Quando li o título, achei que era um daqueles com técnicas requentadas sobre como falar até convencer alguém a comprar seu produto. E, de má vontade, fui passar os olhos pelas páginas.

Era uma estória, sobre um aprendiz que desejava ter sucesso. E, na evolução, as técnicas ensinadas não eram sobre venda, mas sobre crescimento pessoal. Com suas limitações (livro dos anos 60-70), não deixava de ser um livro de auto-ajuda, com o mantra “o fracasso jamais me surpreenderá se minha decisão de vencer for suficientemente forte” o livro de Og Mandino nos propunha a ter atitude mental sempre positiva frente aos muitos obstáculos que a vida nos impõe.

Algo como no excelente texto de Diaféria (A Corrida), que nos impele a não esmorecer, mas seguir.

Og Mandino ainda nos apresentou outros excelentes livros da mesma espécie, como a Universidade do Sucesso e O Maior Segredo do Mundo. Livros que, como defendo sempre, são os indicados para que nos mantenhamos focados nos aspectos positivos, evitando, porém, a alienação possível.

Enquanto lia o livro, via que o título não fazia jus ao conteúdo. Era um condicionamento comportamental e mental, mas que hoje acredito que não venderia se assim fosse apresentado.

Ainda hoje, passados mais de 30 anos de seu lançamento, seu conteúdo continua atual, pois trata de valores, e dos bons valores. E, depois de lê-lo, vale a pena ler o Maior Vendedor do Mundo II, onde a estória se encerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário