terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Pessoal

Saio agora para um funeral. De uma pessoa muito querida (parente), cuja amizade, naturalmente, negligenciei. E, cada vez que sinto isso, prometo-me ser mais presente, mais ativo, mais amigo, mais próximo. Para logo em seguida me acomodar e culpar a vida, a correria, o dia a dia…

Somos prisioneiros de nossas algemas, e sofremos por isso…

Um comentário:

  1. Caríssimo minhas condolências. A vida continuá.
    abraços

    ResponderExcluir