quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Para esclarecer

Não sei como essas coisas correm tão rápido, mas é preciso esclarecer:

  1. Sim, é verdade, fui assaltado;
  2. Estou bem. Não encontrei nenhum menininho dizendo ver “dédi pipou”. Então, acho que não estou me enganando;
  3. Sim, estava armado. Eu não entregaria meu carro e meus pertencer a alguém que os pedisse, mesmo que gentilmente;
  4. Não, não reagi. Tenho uma filha a quem preciso assistir. Reagir seria uma arrogância burra. Arrogante eu sou, mas burro, mesmo que seja, não admito…
  5. Sim, fiz B.O.. Parece que a seguradora aprecia muito essa nossa visita aos distritos policiais;
  6. Levou meu Milleniun Falcon e meus cartões de crédito (todos devidamente cancelados);
  7. Levou também uns 50 CD de MP3, o que estou lamentando muito;
  8. Levou também um bauru de forno, o sortudo, porque fica bom demais esse quitute. O carro estava até cheirando;
  9. Não, não vi direito o ladrão. E ele não fez questão de mostrar RG ou crachá funcional, o que teria ajudado na identificação na polícia;
  10. Depois de estacionar, fiquei perguntando às pessoas se uma delas queria me assaltar, porque é o quer faço normalmente… claro que desci e estava entrando quando fui abordado pelo meliante!;
  11. Não, não o reconheceria, mesmo que eu o encontrasse diretamente;
  12. Não levou dinheiro porque eu não tenho eu o carrego, por sorte questões de praticidade, em outra carteira;
  13. Sim, ainda bem que estou vivo para contar;
  14. Levou meu celular, meu querido Blackberry, que está fazendo mais falta que o carro. Mas logo vem outro por aí.

 

Não gosto de ficar contando essas coisas. Esclarecido que estou bem, a vida continua. e ela é bem boa, o carro estava no seguro, estou já fazendo piada com o fato. Importante é, nessa altura do campeonato, estar vivo.

3 comentários:

  1. Rê é triste saber que não temos para ond fugir. Recebi uma notificação de multa por avançar o sinal vermelho no meio de uma "comunidade carente", numa pista super larga (que facilita muito a vida dos bandidos na hora de manobrar o carro e sumir). O que não entendo é como colocam fiscalização eletrônica num local com alto índice de criminalidade. Ali precisaria de fiscalização policial para preservar o veículo e a vida dos motoristas! Ora bolas... Imagina se euzinha aqui, com minha filha e minha sobrinha de três anos, daria o mole de ficar linda e faceira parada no sinal de uma rua rodeada de favela, sem pedestre, num horário de transito calmo (um carro aqui e outro a 100 metros), num carro super manjado, com uma mala enorme, recém recuperado de um assalto? Aff! Seria o mesmo que colar no carro: Quero que levem meu carro mais uma vez! Venham!
    Isso ta ficando insustentável! Estou pensando em fazer como algumas amigas que possuem um carro bem simples para quando precisam ir ao centro da cidade ou ao subúrbio do Rio.
    Será que precisamos andar por aí de Fusquinha?

    ResponderExcluir
  2. Que susto hein?!
    Dos males o menor: bens materiais a gente recupera; a vida, nem em outra encarnação!
    Fica bem e toca pra frente!
    Beijo grande...

    ResponderExcluir
  3. Obrigado. De verdade, é bom estar vivo para contar o que aconteceu. Mas foi rápido, e somente ewssa sensação de que minha esteve por conta de mente instável de alguém que pode escolher apértar ou não um gatilho, isto é que incomoda.
    O resto, recuperamos. A fé nas pessoas, essa vai demorar um pouco mais...

    ResponderExcluir