terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Nada acontece por acaso?

Entre alguns de meus amigos, essa frase é um axioma. Dita sempre naqueles momentos em que o leite já se derramou, não tem remédio, e outros clichês. Acontece que não é assim. Ao menos, não é necessariamente assim.

Todos temos acontecimentos desagradáveis na vida. Quando utilizamos o chavão acima, é para nos convencermos de que não podíamos ter feito nada mesmo, e que a roleta da vida nos foi desfavorável. É nossa forma de enganar a frustração e seguir em frente.

Iconoclasta que sou, ouso dizer: sim, algumas coisas acontecem por acaso. Isto quando o fato em si não o poder de gerar mudanças. Ou quando nós, defronte ao fato, não geramos a mudança. Quando aceitamos que a vida está predeterminada, nossa capacidade de ação ou reação diminui e muito. Há pessoas que, frente ao problema ou ao insucesso, não fazem nada. A não ser, claro, lamentar e choramingar. Não aprendem com seus insucessos, e nem acreditam que isso seja possível. Para essas pessoas, as coisas acontecem por caso, mero acaso, somente acaso, e nada mais que acaso.

Mas há aquelas que escolhem reagir. Há aquelas que escolhem identificar as causas, entendê-las, encará-las. Para essas pessoas, não há acaso, senão o da primeira vez. A partir daí o aprendizado passa a comandar.

Sempre me exaspero quando vejo aquelas (faltas de) reações diante dos problemas. E sempre me compadeço dessas pessoas. Pode ser somente uma falha de caráter minha, mas fico pensando como é que alguém pode ser inerte às coisas que afetam diretamente suas vidas. Como essas pessoas encaram a vida como um rio, que, com sua correnteza, as leva aonde ela quiser. Essas pessoas escolheram não escolher. E ficam à mercê mesmo da vida.

Confúcio disse que um homem nunca toma banho duas vezes no mesmo rio. Mas alguns bem que tentam. Enganam-se, procurando no que acreditam ser o caminho cômodo a segurança que acreditam lá estar. E, nessa busca, esquecem-se dos buracos, das pedras, dos obstáculos. Desperdiçam as lições da vida.

Sim, algumas vezes as coisas acontecem por acaso, mero acaso.

Este é um tema recorrente, que chove no molhado de alguns textos dos últimos dias. É que a discussão foi grande, sinal de interesse. Mas nossa zona de conforto (todos temos uma, pequena ou latifúndio) muitas vezes nos impede de ver que estamos nela. Basicamente, é a mesma frase que falo sempre: nós estamos no comando de nossas vidas. E nem mesmo algumas de nossas maiores crenças tem o poder de mudar isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário