sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Desapegos

Atenção: cenas de pieguismo explícito a seguir, Fuja enquanto é tempo…

Enquanto assisto a Eli Stone, aquelas cenas tão conhecidas: finais, recomeços, desesperos… Difícil não se envolver com atmosfera tão familiar. A crueza da situação, a luta para vencer a inércia, a batalha para manter seu moral em pé… É, recomeçar não é fácil.

E nem é ara qualquer um. É para aqueles que são princípio ativo, aqueles que acreditam em seus valores. Aqueles para quem a vida tem um sentido além da própria vida. Não, não é para qualquer um…

Há uma “piada” sobre Bill Gates. Diz a lenda que ele joga uma flecha ao acaso, e sua assessoria sai correndo para colocar o alvo onde ela irá cair. Visionário?

A verdade é que fazemos nossos futuro. Começamos ao escolher os caminhos. Quando escolhemos um, pagamos, ou nos dispomos, a pagar os preços dessa escolha. Nem sempre os preços estão claros, algumas vezes estão nas letras miúdas. Mas o preço existe, e está lá. É inerente ao caminho, à escolha.

E mais: fazemos nosso caminho ao decidir. Decidir não somente o rumo, mas a atitude. “O Fracasso jamais me surpreenderá se minha decisão de vencer for suficientemente forte”, é o que professa Og Mandino. Atitude! Faz a diferença.

Mas o que mais faz a diferença é a aceitação. SE o que “mão tem remédio, remediado está”, o jeito é seguir em frente. Engolir a mágoa, respirar fundo, ir em frente. Para onde? Talvez, no início, somente para a frente. E, talvez depois, para “uma frente” mais definida. O importante é continuar sempre, não?

Na história de Mowgli (a de Kippling, não  a versão açucarada e falsa da Disney), há um tempo para os lobos pararem e lamberem as feridas. Sim, ir para a frente, parar um pouco, lamber as feridas, e seguir em frente…

É preciso ser desapegado. A vida passa, nós ficamos, Com as cicatrizes, as lembranças das vitórias a nos motivarem, as das derrotas a nos educarem. Mas ficamos. Ou vamos, sei lá…

Vamos!

2 comentários:

  1. Estou em Campos do Jordão com minha filha, hotel delicioso e um frio que congela a`lma... Passamos um tempo em São Simão, fiz com ela o que prometi, um tempo só nosso, fazendo coisas incríveis! E fizemos... Plantamos, pisamos na terra, na grama, fizemos comidinhas de barro, comprei um elastico de 10 metros, amarrei no tronco da árvore do quintal e brincamos de pular elástico (coisa q criança nenhuma conhece hoje), o que nos rendeu muitas risadas e no meu caso, algumas calorias a menos... Foi muito bom, me desconectar da vida furacão que levo, largar por um tempo a modernidade, os relógios, computadores e celulares, acordar com os pássaros e dormir quando dá vontade. Em são Simão o dia é mais longo, o sol se põe mais tarde e o céu... nossa! O céu estrelado é fantástico, não tem nenhum prédio ou montanha generosa para interromper a linha do horizonte... Foi muito bom. Vi Campinas e fiquei espantada e um tanto maravilhada com o tamanho, não esperava que fosse tão grande... Sua cidade é linda, e tão perto da calmaria.
    Sou carioca, tenho todas as belezas naturais ao meu redor, mas, estou tão envolvida com São Paulo. Até Íris quer morar aqui.

    ... Bom, neste momento abri o orkut. Ué?
    ???
    Um bj

    ResponderExcluir
  2. É, precisa de explicação. Amanhã, tá??

    ResponderExcluir