terça-feira, 1 de julho de 2008

Drummond fala...

Este é um poema que guardei para sempre, até que alguém o merecesse. Ao que parece, a medida perdeu o prazo de validade. E, se o publico neste espaço, é porque essas palavras de Drummond podem significar algo para alguém, que precisa, então conhecê-las.

Acho que esta é uma porta que eu tranquei. E, se tranquei, fiz mal. Não dei a mim mesmo a oportunidade, não me permiti sonhar. Ao menos, com isto. E, se não me permiti sonhar, não cabe a mim destruir sonhos. Nem entendê-los. Essa é uma aventura em que não me meto mais, talvez pelo princípio "dor-prazer" da psicologia. Repetimos o que nos causa prazer, evitamos o que nos causa dor...

Minha "pasteurização" nesse campo foi eficiente. Evito, fujo, chego a me sabotar. E daí? É resultado de uma escolha, ainda hoje estive refletindo sobre o assunto. Mas, errado ou não, é um caminho já trilhado. Devo esperar a redenção? Não me parece que assim seja.

Mas a vida, essa mesma que nos tira, pode nos dar. E, se der, surpreendendo-me, pegando-me de surpresa, me tirará a chance de negar. É uma zona de conforto, pois. Não procuro. Se eu ganhar, ok. Mas eu não procuro. Nunca mais,

Chamemos de tática. Mesmo que você chame de covardia... Entenda, por favor: eu tenho muito a dar. E não espero nada em troca. É, eu sei. É difícil entender...



As Sem-razões do Amor (Carlos Drummond de Andrade)


Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.
Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

3 comentários:

  1. Mas que você tem muito a dar tá na cara. Sensibilidade de sobra, intimidade com as palavras (apesar de dizer que não) e principalmente coragem de se expor.Sem falar no senso de humor. Não, não te conheço!Pelo menos não pessoalmente.Mas depois de ter lido o que li sobre amigos, músicas, família, sei que estou diante de um "delicado", usando uma imagem do nosso amigo Drummond. Somente alguém capaz de ir fundo no que sente, com integridade, a mesma que deve ter em relação a tudo o mais, sabe virar ostra...só quem tem muito o que dar!Sorte!/

    ResponderExcluir
  2. E hoje, você já encontrou alguém que merece esse poema que guardou?

    ResponderExcluir
  3. Encontrou o "AMOR" da sua vida?

    PUBLICO QUER SABER.

    ResponderExcluir