quinta-feira, 22 de maio de 2008

I'll be there for you

Uma amiga, de quem havia me afastado há alguns anos, finalmente reencontrada, me disse que, apesar da distância e do muro que se formara entre nós, ela tinha uma certeza: a de que, se precisasse, eu estaria pronto para ajudá-la.

Sua certeza tinha fundamento e razão de ser. Pessoas fazem parte de nossas vidas e às vezes nos afastamos por algum motivo. Ou sem motivo algum. Mas a memória do que essa convergência, efêmera que tenha sido, deve prevalecer.

Não costumo deixar ninguém passar por dificuldades sem ajuda. O que dizer, então dos amigos? Ou das pessoas a quem já chamamos de "amigo"? A disponibilidade deveria ser regra, mas parece não ser. Ainda há pessoas que mudam de calçada, viram o rosto, evitam encontrar aquelas pessoas perdidas no passado. Eu, inclusive. Mas, na hora da necessidade, eu esqueço qualquer outra circunstância. Se precisar, estarei lá.

Algumas pessoas já sabem disto. Pessoas que, perdidas no tempo de nossas vidas, às vezes nos acham, no auge do desespero, nem que seja para encontrar um ombro. De preferência amigo, no mínimo amigável.

A vida faz com que pessoas tenham rotas que se encontram, mas que se afastam num determinado momento. Em nossa comodidade, deixamos que a vida assuma essa culpa. Em nossa ação positiva, corrigimos a rota da vida, e mantemos aquelas pessoas que nos são caras e por cuja amizade temos real interesse. Mas, a vida, essa vingativa, às vezes interpõe novidades que retaliam nossa reação: um novo relacionamento (deles ou nosso), filhos, viagens, profissão, orgulho...

Nada disso importa. O que importa é que, afastados ou não, distantes ou não, relacionamento saudável ou não, eu fiz minha escolha: estou à disposição para qualquer tipo de ajuda. Claro que sujeita à minha idiossincrasia: a depender do motivo do afastamento, vou, ajudo, certifico-me de que as coisas estão bem, e sumo de novo. Volto para minha nave (a que me abduziu) para voltar somente no caso de outra necessidade de ajuda.

Republico a música abaixo, que me fez pensar nisto:

James Taylor - You've Got A Friend

Nenhum comentário:

Postar um comentário