quinta-feira, 29 de maio de 2008

Células-tronco

Como lembrou Lula, "o Brasil é um estado laico". Que, na definição do Dicionário Houaiss, é o "que ou aquele que não pertence ao clero nem a uma ordem religiosa; leigo". Baseado nessa premissa, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre as esquisas com células-tronco não poderia ser outra, que não a autorização.

Porque a decisão tem de se basear em critérios científicos e assim fizeram os juízes que compuseram a maioria nesta votação.

É preciso destacar que são células inviáveis, e que não se tornariam nunca um ser vivo: estão fadadas ao descarte, justamente por inviáveis.

Quem tem na família pessoa(s) que precise de reposição de tecidos danificados tem uma tendência a aprovar a pesquisa. Quem não sabe o que é a necessidade/vontade tem uma tendência a desaprovar a medida.

É uma questão moral, mais que religiosa. cada um tem seus credos, e vai lutar por eles até o fim de sua vida (ou da sua crença). O fato é que a lei impera neste país (ao menos para algumas coisas) e nosso maior tribunal disse que sim. Que venha a pesquisa.

De minha parte, sou um pragmático. Sou a favor. Se os embriões podem ser descartados, e nunca ninguém se rebelou contra isto, rebelar-se-ia agora que eles têm uma utilidade?

Nenhum comentário:

Postar um comentário