domingo, 27 de abril de 2008

Paraíso na Terra

Como se sabe, as religiões são um bálsamo para os desejos frustrados de seus seguidores. É muito fácil aliciar pessoas prometendo a elas o que elas querem. Há uma religião que promete um paraíso onde verte lei e mel. Outra, uma paisagem verde. Outra, justiça e igualdade. E por aí vai.

Há outras que prometem o paraíso ainda em terra. Basta rezar e pagar sua contribuição. Sessões de reza/descarrego se realizam com objetivos específicos: arrumar as finanças, regularizar a vida amorosa...

Vou propor a criação de outra religião. Acho que até já existe, mas precisamos oficializá-la.

O nome? Vou chamá-la de PTestemunhas do Molusco Lá. Sem motivo algum.

Todos podem aderir a ela. É preciso contribuir, claro, pois seus altos mandatários precisam viver (e bem, pois o Romanée-Conti é caro). Mas a contribuição não precisa sair do seu bolso. Você pode induzir outras pessoas a contribuir, mesmo sem que saibam. Ou pode se socorrer naquele dinheiro público, já que o assunto é de interesse geral.

O paraíso é na terra. E tem muitas e muitas vantagens. Tais como:
  • Cartão de crédito sem limites e sem perguntas; e você ainda pode sacar sua parte em dinheiro (pode até ser mais que aquele com que você contribuiu);
  • Amigos no poder. Sem ser Pasárgada, onde tem que ser amigo do rei, aqui você pode ser amigo de vários, para se motivar. Seus amigos, em postos estratégicos, o protegerão da lei, que é feita somente para os não seguidores. E também daqueles que, invejosos, ficam à procura de motivos para denegrir sua imagem;
  • Várias fontes de renda. Pode ser uma comissão por um negócio, pode ser uma mesada por causa de uma determinada opinião sua;
  • Viagens. Muitas viagens. Já que ninguém é de ferro, é preciso espairecer. Pode ser na aviação normal, essa em que qualquer um entra, ou pode ser no AeroMolusco;
  • Mimos. Algumas pessoas, sem motivo aparente, poderão oferecer-lhe presentes, somente por gentileza. Você nem sabe o que fez para ser tão querido, mas seu benfeitor saberá; e pode ser até uma Land Rover;
  • Direito de aloprar-se. Se você cometer um erro, por mais grave que seja, será perdoado pelos papas da religião, e até mesmo pelo Molusco. E esse perdão tem o condão de afastar qualquer punição pretendida pelos homens (dos não-moluscáveis, claro);
  • Igualdade. Se todo mundo faz, você também poderá fazê-lo;
  • Prosperidade. Seus bens crescerão de forma mágica, quase que milagrosamente. Pode ser a reunião de vários dos benefícios anteriores, mas o fato é que você ficará rico.
Mas como tudo tem um outro lado, é preciso tomar cuidado com algumas coisas:
  • Você terá uma tendência a falar. Muito. E nem tudo terá sentido. Aliás, quase nada. A diarréia verbal é um sintoma (principalmente para quem nasce analfabeto);
  • O mundo se resumirá à religião. Nada que seja contra (ou diferente) dos credos da religião fará sentido para você. E é claro que isto o enfurecerá;
  • O mundo conspirará contra você. Todos querem atingi-lo, coisa que nunca antes neste país aconteceu. Cuide-se, pois todos serão seus inimigos;
  • A história pode parecer confusa para você. O que antes parecia uma coisa feia agora pode parecer perfeitamente normal. Mas não há que se preocupar, para que há vacina para isto, e você nem perceberá a diferença;
  • As tragédias perderão o sentido. Só o que importará é a proteção das demais PTestemunhas. Mesmo que duzentas pessoas morram, interesse é que ninguém culpe o Molusco por isto. A isto, chamaremos de A Lei do top-top;
  • Finalmente, mas sem esgotar as conseqüências, você será tentado a fazer alianças. Reunirá cobras e pardais, leões e corsas, e vai querer que eles não se estranhem. Mesmo porque isto é tarefa das PTestemunhas, que viverão se estranhando entre si, sempre em processos de fritura.
Ah, se você se interessou, corra. Parece que a fila é grande, mas as cadeiras são limitadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário