segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Sobre o racismo

Hamilton, da Mclaren. foi vítima de manifestações racistas de torcedores espanhóis. Movidos pela rivalidade com Alonso, os torcedores extravasaram seu modo particular de ver a diferença da cor do inglês.

Na origem disto tudo, está a intolerância com as diferenças. Neste caso, de cor da pela. Poderia ser de altura, de inteligência, de timbre da voz. Não importa. O que chama a atenção é que a manifestação se prende a uma diferença.

Que é o que Hitler pregava. Já disseram, mais de um milhão de vezes, que se o holocausto fosse submetido a um referendo, seria aprovado. A desinteligência, portanto, é multitudinal.

Hoje falamos com aparelhos sem fio, temos televisões ultrafinas, já produzimos aparelhos tão pequenos que são impossíveis de serem vistos à olho nu. Remédios potentíssimos fazem o que antes era inimaginável, aparelhos revolucionam o dia-a-dia. Mas a mente do ser humano não consegue evoluir nessa mesma velocidade.

O preconceito ainda grassa. E nem sempre a diferença que ele expressa é evidente. Às vezes se volta a uma diferença de performance: manifesta-se quando alguém tem mais sucesso que outra, um carro mais bonito, um círculo maior de amigos.

Se Hamilton não tivesse enfrentado um espanhol, pergunto: os espanhóis teriam alguma coisa contra ele? não importa, importa que a desinteligência se manifestou.

Não sei se o fato é exclusivo dos seres humanos. Mas sei que estes, por terem a condição de "inteligentes", são os únicos que poderiam vencer um sentimento dessa natureza. Mas o assunto não existe. Não se fala em enfrentá-lo, porque onde se poderia falar sobre o assunto? Não nas empresas, não nas escolas, não nas famílias. Pois que nesses ambientes não existe isto.

Nos autódromos, estádios, estações de metrô? Certamente que não, pois há coisas muito mais importantes tomando a mente das pessoas.

Ok, não falemos disto. Viremos as costas, e só nos resta a indignação quando uma coisa dessas acontecer. Neste caso, foi Hamilton, virou notícia. Mas acontece milhares de vezes por dia, com "não famosos". Acontece tanto que não vira notícia.

Pena. O homem já foi à lua. E está prestes a ir a Marte. Sempre acompanhado de seus preconceitos. Triste evolução, material, exclusivamente material.

Nenhum comentário:

Postar um comentário