domingo, 2 de dezembro de 2007

Função e papel - O líder e o gerente

As atividades de coaching estão ganhando mundo. Ela se dá quando uma pessoa, mais experiente, adota um pupilo (mais certo seria dizer o contrário) para, com suas orientações, fazer com ele atalhe o processo de tentativas e erros e seja mais assertivo nas ações.

Neste ponto, é um papel que se sobrepõe ao dos gerentes organizacionais, aqueles que têm um cargo de chefia/gerência.

Primeiro, uma distinção: função é uma coisa, papel é outra totalmente diferente. O gerente precisa liderar, mas o líder não precisa ser um gerente. Isto porque a liderança é um papel, e a gerência é uma função. A diferença está na formalidade da ação. O gerente precisa, por exemplo, aprovar, com sua assinatura, um determinado gasto. Ele tem o poder para isto, conferido pelo cargo que exerce. Assim, ele contrata e demite, decide e autoriza. É sua função.

O líder é aquele que, mesmo sem o cargo, influencia pessoas.Pode até dar ordens, mas os que o seguem o fazem porque acreditam nele. Na sua experiência, no seu conhecimento, no seu senso de oportunidade. Não por serem obrigados a isto. Não é raro vermos, numa empresa, o gerente, que se prende a questões administrativas, e um líder que realmente "toca" a equipe.

Uma conclusão obrigatória é que o ideal seria que os gerentes fossem, todos, líderes. Assim, somaria ao seu poder formal (legalidade) a capacidade de gerar adesões em torno de uma causa, um assunto (legitimidade). É o gerente ideal.

Mas o líder o é para o bem e para o mal. Há lideranças especializadas, mesmo que inconscientemente, em fofocas, intrigas, reclamações. Por ser informal, muitas vezes não se dá conta disto. E, neste ponto, é muito mais comum a liderança do gerente despreparado. Aquele que chega mal-humorado, sem cumprimentar ninguém, que não conversa, consegue contaminar a equipe. Os funcionários são influenciados, não pela ação positiva, mas pelo exemplo negativo. Já viu um local em que o mau-humor impera?

Pois bem, há pessoas que exercem muito bem a função de gerente e muito mal o papel de líder, como no caso acima. No casos do mau líder, não há legitimidade, e o papel não pode ser exercido para o crescimento pessoal dos "pupilos".

Há também os problemas decorrentes de concorrências pro cargos. Pessoas que concorrem entre si tendem a não legitimar umas às outras. Pois não querem dar munição ao inimigo. Este é o caso em que aparece o coach. Mesmo sem ser da organização, ele pode orientar pessoa que nele confie para escalar funções com um mínimo de erros, com um alto grau de assertividade. Em ambientes ultra-competitivos, não é pequena essa ajuda.

Mas lamento que o gerente não possa desempenhar esse papel. A gerência só é completa se englobar função e papel. Nada mais estéril que um bom desempenho das funções. Assim como não há nada mais gratificante que o fruto de uma liderança bem orientada.

Isto tudo para dizer o seguinte: estamos carentes de bons resultados que sejam obtidos com crescimento pessoal. Não nos preparamos para isto. Ainda há gerentes que gritam e ofendem, e isto porque foram eles funcionários que gritavam e ofendiam. Não há o cultivo da confiança, e sem confiança não há respeito. Continuaremos, ainda por um bom tempo, numa terra de índios. Onde há índios, há chefes. Mas precisamos mesmo é de gerentes. E líderes. De preferência, numa só pessoa.

7 comentários:

  1. Gaby estudante de adm11 de dezembro de 2009 17:16

    Cara você escreveu tudo nesse texto. Amei...Parabéns por seus conhecimentos e sua opnião tão firme e centrada.Com certeza precisamos de mais líderes no mundo. Pessoas que não se sente superiores a outras só por serem gerentes, diretores ou terem um nível melhor de conhecimento. Precisamos de pessoas que saibam trabalhar em grupo e conversar, trocar opniões, saber reconhecer que todos podemos ter idéias , e se todas forem juntadas a idéia pode ser melhor ainda. Abraços...
    Continue escrevendo adorei seus textos.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Gaby.
    Grato pela visita.
    Acho que colocar em prática nosso conjunto de valores. O respeito ao próximo, seja na vida pessoal, seja na vida profissional, independente de posição hierárquica, é fundamental.
    Muitas vezes, a pressão pelas metas, pelos resultados e pela política interna nos afastam disso. Mas é nossa postura perante o que nossos valores dizem que nos farão decidir o caminho. Está nas nossas mãos decidir pelo caminho certo. Infelizmente, o "certo" é subjetivo...

    Volte sempre, grato.

    ResponderExcluir
  3. Quero saber qual o papel de um gerente em uma empresa????

    ResponderExcluir
  4. bom adorei o comentario,sou gerente e líder adoro o que eu faço e faço com alegria começei com o cargo mais baixo e aos poucos fui subindo ate chegar aonde cheguei mas sempre com alegria e respeito.Eu gosto disso acho que quem faz o clima de uma empresa é os funcionario por que tudo é contagiante ate mesmo o mal humur como vc mesmo citou acima, na empresa que eu trabalho trabalhamos com alegria por isso contagimos a todos.

    ResponderExcluir
  5. como ser um bom lider,devo comentar de funcionario que nao colabora com colega.

    ResponderExcluir
  6. Bom tou começando agora, e acho que quando se tem união independente do cargo é bom tanto para a empresa quanto para os seus funcionarios... Acho que o q falta é humildade, pois o fato de eu ser Gerente não me deixa mais importante q ninguem, só me traz um pouco mais de responssabilidade, uma empresa não é feita apenas por gerente, se não tiver a equip ela não funciona.

    ResponderExcluir