sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Dois inesquecíveis

Muito cedo eu já era um fã de carteirinha de Elis Regina. De morte chocante, triste, inútil... Morte, enfim.

Um dia, num show, descobri o talento de Jessé. Outro que foi levado cedo, muito cedo. Numa de nossas estradas, que é o predador artificial mais eficiente de nossos tempos.

Repito que não temos mais intérpretes como em épocas idas. Deve ser mesmo o tal progresso, que permite conexões inimagináveis, comunicações quase mágicas, mas as torna, como num ágio e pedágio, mais pobres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário