domingo, 14 de outubro de 2007

Privatizou bem...

Vamos elogiar.

Houve a privatização de rodovias federais na última semana. O que surpreendeu foi o valor do pedágio. Mais que o fato de que seis dos sete trechos foram arrematados por espanhóis. Talvez, uma vingança por Tordesilhas...

Vamos aos valores, destrinchados por Élio Gaspari na sua coluna de hoje na Folha de São Paulo (infelizmente só para assinantes). Ou melhor, ao valor mais surpreendente: R$ 1,42 (para cada 100 km, na Rodovia Fernão Dias, que liga São Paulo a Belo Horizonte). Compare: eu vou todos os dias para São Paulo, e pago R$ 10,60 no percurso (seja Anhangüera ou Bandeirantes).

Dá para comparar?

Onde está a mágica?

Mágica não existe em capitalismo. Ou o valor é suficiente, com uma margem de lucro considerada boa pela empresa, ou a empresa blefou. Não acredito que ela tenha blefado, pois não é um joguinho.

O que nos leva a pensar.

Os sábios da área condenaram os valores desse negócio. Representantes de entidades de classe (sim, há), especialistas, e até Geraldo Alckmin (votei nele, sinto-me à vontade para criticá-lo). Todos dizendo que o valor é insuficiente. Acho que insuficiente foi a análise e o trabalho daqueles que privatizaram as rodovias no estado de São Paulo. Que é a mesma base de partida da Fernão Dias, que teve esse valor absurdo na negociação.

Os espanhóis sabem que a comparação será inevitável. Obrigatória, até. Ainda assim, "compraram" a concessão.

Ao governo cabe estabelecer check-points que garantam qualidade dos serviços e das vias. E, mais que isto, por óbvio que seja: fiscalizar. Se isto acontecer, haverá uma vitória dos usuários.

Ao elogio, portanto. O governo Lula fez sua parte. Extrapolou a ideologia, mas, ora, já nem tinha mais essa preocupação, não é mesmo? Privatizou, e privatizou como se fosse gente grande. Uma ação de privatização entre adultos consentidos. Deu um banho nas privatizações anteriores. Deu um banho nas privatizações das rodovias paulistas.

Quem sabe se agora deixo de falar que pago caro pela qualidade de nossas estradas em São Paulo?

Não me lembro de outra situação em que o governo fez nada além do que bem governar. Quando se meteu em política, foi para que mesmo??? Nunca para interesses do Brasil como propagado nos períodos pré-eleitorais. As armações políticcas do governo nunca tiveram esse cunho de beneficiar a população, senão a pessoas e/ou partidos chamados aliados...

Parabéns. Que haja outras desse tipo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário