sábado, 15 de setembro de 2007

Decisões, decisões

Ultimamente, já que o divórcio tem sido melhor aceito pela sociedade, muitos casais optam por ele em nome de qualidade de vida. Fazendo uma análise em perspectiva, conclui-se que o processo de separação, por mais desgastante que seja, é sempre melhor e mais breve que uma vida de brigas e de decepções.

A decisão nunca é fácil, mas é sempre baseada em momentos de tensão. Aqueles momentos em que as palavras escapam, a comunicação não-verbal recrimina, os ânimos desanimam.

Se falo do casamento em específico, poderia falar de qualquer tipo de relacionamento, Amizades, relações comerciais, sociedades.

Essas decisões, embora sejam mais comuns, ainda não expressam a realidade da necessidade. Quero dizer que muita gente se submete a uma relação desgastada por medo de enfrentar uma separação, seja em que tipo de relação estejamos. Poucos têm a coragem de enfrentar o problema.

Sobre enfrentar o problema, é bom que fique claro que a "separação" não é a única solução. A disposição de mudar, de fazer a coisa certa, de ajustar processos de comunicação e comportamento é fundamental, e deve preceder ao ato de rompimento. Mas essa comunicação às vezes está tão contaminada que é impossível tomar esse caminho.

A contaminação decorre do grau de desgaste. Do grau de comprometimento com a mudança O grau de confiança ainda existente entre as partes.

"Mudar para não mudar" é uma verdade nesses casos. Algumas mudanças são feitas para dizer que houve uma mudança, que é tão pequena, na prática, que a torna nula perante a realidade.

Enfim, quando é preciso, separemos-nos. Uma pequena dor agora pode evitar feridas enormes no futuro.

Tenho dito.

Um comentário:

  1. Qualquer separação é dolorida.
    Por qualquer motivo que seja.
    De qualquer forma, tomamos a decisão que julgamos ser a correta naquele momento....
    Acredito que por mais difícil que seja a situação sempre há uma saída.
    O duro é começar.

    ResponderExcluir