quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Notícia boa, notícia ruim...

Notícia boa
O brasileiro sabe ser amigo. Daqueles de piada, das horas ruins. O brasileiro é fiel, fica ao lado daqueles que merecem sua amizade. Mata pelo amigo, morre também por ele. Amizade é de ouro.

Notícia ruim...
Até mesmo quando o amigo não merece, o brasileiro é amigo. Partidarista, radical, parcial. O brasileiro, quando é amigo, entorta os fatos para defender o companheiro. Briga por ele, justifica seus erros, nem mesmo os reconhece.

Notícias
O amigo do presidente do senado incorporou o amigo, Contra argumentos, não há fatos, distorce ele. Ou seja, por mais que sejam ensurdecedores os indícios contra os amigos, ele ataca então os ouvidos atingidos.

Pindorama está entregue, em sesmarias, a uns poucos. na colonização, eram os condenados que vinham. Colonizado, evita-se condenar...

Faço eco ao Casoy: é uma vergonha. De um descaramento bahamático. De um atrevimento mensaleiro. De uma sem-vergonhice das maiores. E piores.

Quer se indignar? Assista à TV Senado.

Amigo é coisa prá se guardar...

terça-feira, 28 de agosto de 2007

Inverso

Pelas estradas do estado, muita fumaça, resultado de focos de incêndio nas matas. Mas com compensações. Nesta época do ano, os ipês amarelos imperam. É muito bonito o espetáculo amarelo espalhado em meio à fumaça.

Morei em Brasília em frente ao eixo monumental, chamado lá "eixão". Entre o apartamento e o próprio, uma grande área gramada, com muitas árvores. Nesta época do ano, o cor era marrom. E era visível a seca, pois tudo o mais estava também marron. Tenho fotos comparando a fase primavera com a fase inverno. É impressionante a diferença.

Aqui no Sul Maravilha a diferença já não é tão grande. O verde, mais forte ou mais fraco, ainda existe. Lá no deserto não vingava.

A umidade do ar era problema. Se já é aqui, imagine lá, em que um lago foi construído para amenizar o problema da secura do ar. Pegamos 11, até mesmo 9% de umidade. Níveis perigosos para seres humanos,

Voltando à estrada, pena que não estava com uma máquina para fotografar os ipês. O espetáculo vale a pena.

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Sem noção...

Lula Babá e os 40
Está sendo motivo de acompanhamento de perto o julgamento no STF. Mas é somente um momento interessante. Porque o real julgamento deve demorar anos e anos para sair. Atér lá, quem sabe se já esquecemos a origem?
Mais: quem é mesmo que já foi condenado pelo STF nessa condições? Ninguém...

O substituto
E quem é mesmo que vai indicar o substituto de Sepúlveda Pertence no STF? Sim, ele mesmo. o presidente.

Mas...
Ainda tem uma avaliação do senado. Que deve sabatinar o "candidato". Ah, bom. Mas, pera aí: é o mesmo senado que sabatinou o presidente da ANAC? Xiiiii.....

Caiu
Por falar em ANAC, caiu a diretora Denise Abreu. Sob críticas por ter apresentado a uma juíza um estudo interno que disse ser regra. A dimensão do "erro": se fosse regra, não teriam acontecido as 199 mortes no acidente da TAM. Foi uma leviandade? Poderia ter sido, não fossem as mortes. Com elas, o que houve só merece mesmo um nome: crime.

Ainda ANAC
As ações do ministro Nelson Jobim sobre a ANAC parecem ter cunho vingativo. Não parecem nada com um posicionamento governamental sobre uma agência ineficiente. Em vez de buscar causas reais, e saná-las, cassam-se poderes. A ANAC sairá retalhada e retaliada, e poderá se comparar a um mero departamento de governo.
As agências são uma boa medida. Nossas agências ainda estão descalibradas, mas estão num bom caminho. Em vez de autoritarismo explícito, o que é necessário é estabelecer regras de conduta, metas de desempenho, contratos de gestão.
Ah, mas aí é muito trabalhoso. E esse governo gosta mesmo é de atalho...

Coisas de pai

Estava numa reunião na sexta-feira quando tocou o celular. Número não identificado, não costumo atender, mas atendi. Era minha filha, que coisa!

- Tudo bem, minha linda?

- Mais ou menos...

Pronto!

- O que foi???

- Torci meu pé...

Bom, como mãe é para essas coisas, liguei para a minha. Que foi, imediatamente, buscar a minha linda na escola e levá-la ao hospital.

É bom ter a quem recorrer, mas seria melhor se eu pudesse estar lá.

Chegando em casa (tomei o cuidado de não me contaminar pelo susto, e fui tranqüilo) lá estava ela, de pé imobilizado (não, não engessado totalmente).

Dia seguinte, comprei um par de muletas, e vida nova!

Na verdade, uma diversão só, descontado o susto. Parece que não bastou o tanto de mimos com que a tratava, ela ainda poderia receber mais.

Cadeira rodando pela casa, mais e mais pedidos...

- Pai, me dá água, por favor???

- Pai, pode pegar suco?

- Pai, estou com fome....

É, é bom ser pai. E é bom estar presente. E é bom ter alguém com quem contar, como minha mãe. E o melhor de tudo: é bom rir de nossos problemas, para que eles pareçam ainda menores!

domingo, 26 de agosto de 2007

Invasão de privacidade?

No episódio das mensagens dos juízes, nesta semana que se encerra, é preciso, sim, discutir, e as discordâncias devem ser somadas.

A publicação das mensagens é uma invasão de privacidade?

Era um ato público, aberto ao público. As declarações dos advogados foram publicadas na mídia, e sua divulgação tem interesse nacional. As conversas entre os juízes seriam diferentes em termos de interesse?

Talvez. Se tratassem de assuntos particulares, concordo que teria havido invasão. Mas tratavam do tema em tela no julgamento, com um que teve conseqüências nele. Neste caso, a aposentadoria de Sepúlveda Pertence. Os demais assuntos tinham relação direta com a sessão do Tribunal.

Esperar que a imprensa cale perante um episódio desse naipe é desesperançar em termos de verdade. O fato lá estava, e à imprensa cabia divulgar. Do contrário, estaremos sempre na dependência da avaliação de outrem, indivíduo ou instituição, sobre o que podemos saber.

Não fosse a imprensa, Renan Calheiros não estaria tão encrencado como está. Também se não fosse a imprensa (sem generalizações: a Globo) talvez o desempenho de Lula no governo pudesse ter sido avaliada antes (no episódio da edição do debate com Collor).

Fatos como esse nos fazem acreditar que a verdade chegará, de um jeito ou de outro. Mas fica uma dúvida: se o Globo (mãos à palmatória de minha parte) publicou, por que motivo não publicaram outros meios, senão a posteriori?

É sempre bom lembrar que a premissa é que os poderes sejam independentes. Mas quem indica para o STF é o presidente. Isto garante independência? Ou faz com que, ao contrário, paire uma nuvem de desconfiança sobre reais motivações de votos de ministros?

Nada há de concreto nas mensagens que permita conclusões, posivitas ou negativas. Há somente uma demonstração cabal de que ministros são gente, com certezas e dúvidas. Mas é bom conhecer algumas dessas certezas e dúvidas.

Eu tenho ainda uma grande esperança de que os noticiários das televisões e afins sejam , um dia, ditadas por pautas livres. Ou seja, queria ver a Globo noticiando a Fórmula Indy, que não é comercialmente interessante. Ou os jornais dos Sarney publicando notícias desfavoráveis a eles. Ok, talvez não seja um sonho, mas uma utopia. Mas esperemos.

sábado, 25 de agosto de 2007

Julgamentos

O Supremo Tribunal Federal vai aceitando denúncias contra os 40 acusados no episódio do mensalão. Já é um passo. Mas é somente um passo. Não basta que a denúncia seja aceita, o processo precisa chegar ao final. E não basta chegar ao final, precisaria chegar célere.

Quando se analisa o comunismo, conclui-se que é uma utopia. Mais pelos resultados da história que pelas idéias contidas. A grande "salvação da pátria" é a democracia. Truco.

Vai chegar a hora na história em que se concluirá que a democracia também é uma utopia. Melhor que o comunismo? Talvez. mas tão ináplicavel quanto. O sistema é essencialmente corrupto, na medida em que votamos naqueles que, intuimos, trarão maiores benefícios para nós. E não falo aqui em termos ideológicos. É em termos materiais mesmo.

Nas eleições, funcionários de empresas estatais não votam em determinado candidato que se diga favorável a privatizações. Milhares votam em quem lhes prometa um emprego. Ou naquele que construiu uma ponte. Ou...

Não temos maturidade, de uma forma geral, para votar em programas, em ideologias, em linhas estratégicas, sem avaliar: como isto me afetará? A percepção financeira é sempre dominante. E quanto maior a falta de educação, tanto maior é essa percepção.

A revista Veja desta semana trouxe uma interessante matéria sobre o assunto ética. Basta lê-la (faz menção a um livro) para entender porque o Brasil é este Brasil.

Ou seja, dificilmente serão tomadas ações para que a justica se acelere, para que culpados sejam punidos, para que não haja reincidências. E, com isto, entende-se porque a educação é inimiga dessa democracia populista que grassa neste Brasil de Macunaíma.

Educação já.

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Espetáculo

Um dos espetáculos do Brasil é o Rio de Janeiro. Uma cidade realmente maravilhosa. Mas um ponto que muito me atrai é diferente, para dizer o mínimo. É a cidade vista dos céus, à noite.

Quando o avião alça vôo, ao passar pelos morros, as luzes acesas, com suas diferentes matizes, aliadas à diferença na altura em que dispostas, parecem formar um grande caleidoscópio de luzes piscantes. Como são enormes os morros, o espetáculo é inesquecível.

Então, além de ser uma cidade já contemplada com belas paisagens naturais, esta se aprimora com as luzes artificiais, mas acho que poucos já se deram conta deste particular de que tanto gosto.

Assim, não faz diferença se o Cristo é "maravilha". Está inserido na maravilha, e isto o torna, por osmose e extensão, maravilhoso também.

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Novos tempos?

Congonhas vazio (comparado ao movimento de antigamente).
Saguão com espaço para andar, filas, quando existentes, muito pequenas.

Já no estacionamento, vagas sobrando, coisa rara.

Mas a tecnologia é impressionante. A fila, agora, é para fazer o auto-atendimento. Sim, para pegar o bilhete. Você se identifica, escolhe o assento, imprime seu documento e pronto.
Pronto? Não. Outra fila, desta vez para que uma atendente verifique seu documento e o carimbe, sem o que não se pode embarcar.
Pronto? Ainda não. Se você tem bagagem, vá até um dos guichês previamente definidos para despachar sua bagagem.

Ufa. Que tecnologia maravilhosa, multiplicou por três a fila. Para quem gosta...

Congonhas, nublado, mas pista seca. Santos Dumont, nublado, pista seca. Reversores, ok. E aqui estou eu, contando a história...

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Sobre o Cansei

Rico (assim compreendidos aqueles que têm uma empresa, são profissionais liberais, ou, enfim, aqueles que se queira dizer que sejam ricos) não têm direito a manifestações. Não podem se agrupar, nem aspirar a nada. Suas posses já deveriam satisfazê-los, motivo pelo qual qualquer outra necessidade ideológica já se compreenderia satisfeita. Certo?

O pobre (assim entendido aquele que trabalha, que vai de ônibus ou carro popular para seu emprego, aquele que faz contas para pagar o supermercado, ou seja, todos nós outros), este sim tem motivos para se manifestar. Vida dura, não viaja para a Europa, tem de pagar suas contas com sacrifícios, estes podem e devem se manifestar, se revoltar, estes têm o direito de cansar.

Há uma indigência nessa discussão que só cria abismos. Não há pobres e não há ricos? Sim, há. Mas achar que, a priori, que movimentos são ilegítimos a partir dessa condição é uma estupidez. Até porque há, dentre os adeptos do Cansei, muita gente que se encaixa na categoria dos não-ricos. a adesão se deu por motivos, acredito, alheios a essa classificação, senão por simpatia à idéia.

Cansei. Cansei de mensalões, de políticos impunes, de politicagens idem. Cansei de regras que sufocam o povo e dão céu de brigadeiro a banqueiros. Cansei da justiça enxergando e bem o dinheiro dos poderosos, e cega às necessidades dos demais (pobres e ricos??). Cansei, e daí? E, se andasse de mercedes, ainda assim poderia ter-me cansado.

Indigência é matar uma oportunidade de o povo, em rara sintonia, se manifestar em favor do país. Mas matamos. A imprensa se dividiu, as charges condenaram o movimento.

Cansei do Cansei.

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Edissão estrahordinaria

Sim, o tempo está curto, e ando postando sem reler. Desculpem os puristas, mas é só indicar em comentário que eu conserto...concerto... konserto... com certo... arrumo, tá?

Ausente?

Compromissos profissionais me afastaram deste espaço nos últimos dias. Mas vou voltar (não, não é uma ameaça).

Continuo de olho nas mazelas do Brasil.
  1. Renan está na net. Ou melhor, está mais enredado que nunca. Parece que o Brasil brinca de não saber as coisas.
  2. Cansei do Cansei. Aliás, da polêmica do Cansei. Empresários não podem se revoltar, não podem se manifestar? Patrulhamento ideológico, lembro bem, a Graúna do Henfil combatia. Credo...
  3. Cada vez mais com medo de andar de avião.
  4. Mais acidentes nas estradas com caminhões...
  5. Autoritarismo democrático? Democracia autoritária? na falta de coordenação e articulação, setores do governo querem, por decreto, que suas definições prevaleçam. Estou falando das várias entidades que interagem (ou não, diria Caetano) com a aviação civil no Brasil. Vão matar a vaca para que morra o carrapato. O partido mais oprimido parece que será o maior opressor.
  6. CPMF: cansei!
  7. Trem da alegria no funcionalismo: casuísmo puro, a regra nem deveria ser discutida. As ações decorrentes da falta de vergonha (aí, Casoy) deveriam ser eliminadas, não eternizadas. Muita saúva (políticos) e pouca saúde (além de outras coisas) os males do Brasil são.
  8. Para não dizer que não falei da Globo... Depois da sensação inicial, acho que o Pânico na TV está cansativo. Mas o Emílio tem uma inteligência fora do normal, logo vai se reinventar. mas o caso é o seguinte: essa polêmica da dança do siri tem mais graça que as sandálias da humildade. Qual o problema do Galvão dançar? Serginho Groisman cortou um "fala garoto" pedindo que o Galvão dançasse. A produção de reportagens já retirou à força pessoas dançando atrás das câmeras. É um desrespeito, principalmente às pessoas, mas também aos profissionais da Globo. Quem nunca falou um dos bordões do Jô Soares, do Chico Anísio, até do Caco marido da Magda (cala a boca, Magda)? A TV cria modismos, e se só a Globo pode criá-los, estamos em Cuba na tv brasileira. Por isto: dança, Galvão.
Estou atrasado para o próximo atraso. Volto amanhã, ou a qualquer tempo, em edição extraordinária (não, nem desta vez é uma ameaça).

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Brasil andando...

Passos largos para a CPMF. Foi aprovada, de forma preliminar ontem, a continuidade da cobrança, que agora vai a votação.

Era um imposto, virou contribuição. Provisória. Que, acho, deveria acabar um dia, por ser provisória.

Na versão mais discutida, na era Jatene, era para custear a saúde. Virou um balaio de gatos. FHC gostava dela, Lula criticava. Agora Lula gosta, FHC critica.

Já foi de 0,20%, Hoje é de 0,38%.

Onera as transações, independente de origem da movimentação. O povo não gosta, mas não reage, ou porque parece pouco, ou porque no Brasil não adianta espernear.

A discussão política está o seguinte ponto: se o governo federal aceitar dividir a receita com estados e municípios, a aprovação é certa. Se não, pode ser (sim, pode ser) que não seja aprovada.

Incrível que a discussão indigente seja em cima de quem ganha. Se todos ganharem (políticos, ou governos), ok. Se não, se alguns ficarem fora, polêmica.

Quem perde de fato somos nós, que pagamos nossas contas com movimentação em banco. Quando o governos passa o chapéu obrigatório em nossas contas, tem bons motivos para isto. esse dinheiro precisa ser mal gasto, para justificar os mensões, as fortunas de mais de dez milhões de reais de senadores, etc, etc...

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Louras e escândalos

Eu sabia! Demorou!

A loura mais famosa do mundo se envolveu num escândalo. Estava demorando. E o pior, arrastou o Batman para o fundo do poço.

Esse mundo das celebridades é sempre o mesmo...

Agora vai

O Ministro Nelson Jobim vai resolver de uma vez todos os problemas da aviação aérea. Determinou que fosse revisto o "espaço vital" dos aviões. Quer dizer, do alto de seu metro e noventa, enfrenta dificuldades de acomodação nos aviões e quer aumentar seu conforto e das pessoas que viajam pelos céus.

Céus! Como ninguém pensou nisto antes?

Vejamos:
  • aumenta o espaço, diminui a quantidade de passageiros. Seria menor a quantidade de mortos nos acidentes.
  • diminui a quantidade de passageiros, aumenta o valor das passagens. Aumentando o valor das passagens, diminui o número de passageiros. O que implica na diminuição de filas nos aeroportos.
  • com a diminuição das filas dos aeroportos, diminuem os problemas decorrentes de greves de controladores.
  • diminuindo os problemas das greves dos controladores, pode haver aumento na quantidade de passageiros.
  • com maior número de passageiros, as empresas, procurando aumentar a rentabilidade, aumentam a quantidade de passageiros nos vôos.
  • para aumentar a quantidade de passageiros nos vôos, diminui-se o espaço vital dos aviões.
  • com a diminuição do espaço vital dos aviões, o ministro vai continuar incomodado e desconfortável.
Ou não. Acho que o mais lógico, como conseqüência dessa ação primordial, é:
  • o ministro desiste da aviação comercial e começa a viajar com a FAB (talvez em companhia da Marta). Talvez seus vôos também não realizem somente com um reverso, como é regra para o presidente.
  • as passagens, que aumentaram com o aumento do espaço vital, não voltarão aos patamares iniciais, nem mesmo com a nova diminuição. Entende-se, pois sendo uma companhia que visa lucros, não se pode falar em diminuição de preços...
Que país, este!

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Consumidor

Tive um celular que tinha uma falha de segurança. Perdi-o, comprei outro igual, meses mais novo. Ainda estava lá a falha. Entrei no site da empresa, registrei a ocorrência, sabe o que aconteceu? Nada. Nem aquele e-mail protocolar dizendo que tinham recebido minha ocorrência. E a falha lá...

Recebi uma ligação da TV a cabo para ... assinar a tv a cabo. Como assim? - Como é que vocês têm então meus dados? Bem, foi uma falha...

Liguei para o atendimento da operadora de telefonia celular, tratei de vários assuntos, um dos quais não era com a mesma pessoa. É só transferir, certo? Não, eles não conseguem transferir a ligação. A própria empresa...

Os serviços no Brasil ainda são um território de ninguém. Quem defende os consumidores? Um e outro, heróis anônimos. Mas, no atacado? Não, ninguém defende. No caso do telefone celular, imagine se a falha fosse comprovada. Um recall. Quanto custaria à empresa? Não seria bom deixar acontecer...

Nossos cadastros são vendidos a preço de banana (ok, bem mais caro). Você já não ouviu falar que há camelôs em São Paulo que têm o cd da Receita Federal? E que têm informações de todos os brasileiros que declararam renda? Pois é, todos sabem, mas os cds continuam à venda.

Outro dia fui visitar um grande banco. por ser amigo de alguém, entrei para a área reservada. Pasme, microcomputadores de mais de quinze anos de idade. Impressoras quase pré-históricas. Sim, um banco, desses mesmos que estão anunciando lucros cada vez maiores.


bem, se é assim nossa cultura em coisas pequenas, imagine nossas pontes, estradas, equipamentos, aeroportos, aviões... Nos estados Unidos, dois dias depois da queda da ponte, foram anunciadas inspeções em outras centenas na mesma condição. Ou seja, lá também existe o problema, mas a resposta é rápida. Dois dias! Uma medida concreta.

Só para lembrar: aqui, o presidente demorou três dias para acordar e lamentar. Somente lamentar. Que não é uma medida concreta...

domingo, 12 de agosto de 2007

Pais

Há quase quinze anos, numa manhã, tentava driblar a ansiedade, máquina fotográfica à mão. Numa das salas ao lado, minha filha estava para vir à luz.

Logo que chegou, olhinhos ainda desacostumados à claridade, petrificou-me com sua simples presença. Foi um instante que mudou para sempre minha vida.

Mais que frágil, como protegê-la? A partir desse dia, suas dores eram as minhas dores, seus choros eram minha preocupação, seu futuro passou a ser minha profissão.

Pois que ser pai não é somente ter alguém a quem chamar de filho. É uma condição em que nos transformamos em gerentes de coisas inadminstráveis. É quando nos transportamos para o passado e passamos realmente e compreender nossos próprios pais. É uma viagem de passado e futuro, e nem sempre sabemos onde podemos chegar. Mas sabemos onde queremos.

Continua hoje aquela ansiedade, já ambientada ao dia-a-dia. O que estudar, como se portar, como ficar longe das drogas, como estar protegida. Como se fossem nossas, as preocupações nos dominam, talvez ainda mais que a eles, no seu terno alheamento das questões urgentes e adultas.

Participo, quando possível, o que é quase sempre, de seus sonhos, desejos, temores. Tento transmitir minha visão, que afinal nada mais é que somente minha visão, dos grandes dilemas da vida. Visão, confessemos, solenemente esnobada pela sabedoria dos que ainda são donos da vida.

Mas, de filha, promoveu-se. Agora é amiga, que faz questão de compartilhar histórias, indignações, dúvidas. E faz questão que eu assista filmes, veja histórias, conte passagens. Ou seja, exige, como se fosse necessário, minha presença na sua vida.

Se filha seria mesmo para sempre, já não se pode dizer o mesmo de amiga. Que, repito sempre , por algum motivo, mereci chamá-la assim. E acho que isto, sim, é que é ser pai. É poder ser amigo daquela que vem a ser a prioridade na minha vida.

sábado, 11 de agosto de 2007

Classe média

A classe média não é aquela que apóia Lula. Nem poderia. É aquela que vaia, e com razão.

Sabe-se que os serviços básicos no Brasil vão de mal a pior. Nos hospitais públicos, filas e mais filas, para um atendimento precário e sem confiabilidade. Nas escolas, qualidade inferior, infraestrutura inexistente, deficiências e mais deficiências. Transportes, em quantidade insuficiente e qualidade nula. E por aí vai.

O que faz a classe média? Quem pode, substitui o público pelo privado. Planos de saúde, escolas particulares e transporte próprio. Qual é a conta disto?

Na saúde, a ANS regulamentou a relação com as pessoas físicas. Resultado? As operadoras passaram a atender preferencialmente pessoas jurídicas. Errado? Não acho. Acho que o governo erra quando acredita que tudo se resolve por decreto.

Nas escolas, a qualidade custa. E não é pouco. Paga a escola particular quem pode, ou quem sacrifica outras coisas em função da educação. Que no Brasil não é prioridade, mas apenas figuração.

Transportes? Os coletivos não insuficientes e de abrangência restrita. Na cidade de São Paulo, o metrô seria uma resposta eficiente para diversos problemas, se sua malha fosse maior. Não é.
Infraestrutura de transportes? Passeie um pouco pela Dutra, e veja a quantidade de caminhões por ali. O primeiro pensamento é: onde estão as ferrovias? Não, não existem. A saída é utilizar caminhões, pesados, perigosos, caros. E o Brasil vai perdendo competitividade por causa de seu custo.

A revista Veja da semana passada trouxe um ótimo raio x da infraestrutura, vale a pena ler.

Mas o ponto é: quanto é que custa tudo isto?

Um plano de saúde, digamos, R$ 200,00 (média) por pessoa. Escola, R$ 500,00 por aluno. Transportes, digamos R$ 500,00 entre gasolina, pedágios, estacionamentos. Eu pagamos uma dessas coisas, temos um custo estimado de R$ 1.200,00 por mês. Um mil e duzentos reais por mês.

Mais de três salários mínimos. É o custo da omissão do governo nas questões obrigatórias. Saúde, educação, transportes. R$ 1.200,00 por mês. Ou R$ 14.400,00 por ano. Para uma pessoa, com um dependente na escola. É pouco?

É o suficiente para vaiar Lula. Que, com suas bolsas-qualquer-coisa, ilude o andar de baixo, como diria o Gaspari, que come melhor e acha que seus problemas estão resolvidos.

Ao final do oitavo ano de mandato do presidente Lula, teremos gasto R$ 115.200,00 (cento e quinze mil e duzentos reais) com essas futilidades de transporte, saúde e educação. Mais de cem mil reais. Vaia nele.

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Amigos

Já quase perdida no tempo, uma experiência no mínimo bizarra.

Entramos no Colégio Técnico de Química, depois de um vestibulinho daqueles, eu e um amigo feito no cursinho preparatório. Dia de matrícula, ambos lá para o início. Claro que os veteranos estavam prontos para o trote. A dias do carnaval, não queríamos raspar a cabeça, mas como fugir dos veteranos?

O colégio se chamava então COTICAP, hoje ETECAP. Ao lado de um cemitério, dividido por um muro. Na hora de fugir dos veteranos, pulamos esse muro, e fomos nos esconder no necrotério. garantimos o carnaval ainda de cabelos, e foi uma das experiências malucas da dupla.

Hoje, decorridos quase vinte anos, recebo uma ligação no celular. Era o próprio amigo fugitivo. depois de anos, o que dizer? Muito. As amizades não se esvaem facilmente, e depois de breve retomada, se renovam.

Ao longo dos anos, sempre quis saber onde estaria aquele amigo de tantos momentos. Casado, três filhos, mesmo humor ferino, já combinamos a indefectível sessão de recordações.

É, amigos são o tempero da vida. Que seja, pois, bem temperada.

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Bancos

Primeiro o Bradesco. Depois o Itaú. Lucros recordes, de novo neste semestre, depois de vários com a mesma situação.

Depois do Proer, os bancos não têm do que reclamar. Fala-se em bolsa-família, esmola, ajuda, assistencialismo... mas os bancos estão muito acima dessa ajuda-esmola.
O governo Lula não tem toda a culpa. Começou com Fernando Henrique Cardoso. Lula é co-autor porque não há nenhuma política que traga benefícios para as classes mais necessitadas em relação aos bancos.

Estes surfam na onda da prosperidade. Grandes spreads e enormes taxas de serviço. resultado: lucros recordes.

Já se sabe quem aplaude o governo, na oreia certa.

De volta

Depois de um recesso, voltamos.

Renan
O caso está se complicando. A tenacidade da Revista veja terá seus desdobramentos. Está cada vez mais difícil Renan Calheiros permanecer no cargo. Espero que o senado esteja à altura dos fatos.

Acidentes
Na ida, um caminhão que atravessou a pista e acabou capotado na de sentido contrário. Na volta, um caminhão que caiu na lateral da pista. Em ambos, a certeza de que se viesse alguém por perto não teria a menor chance de evitar o acidente.
Juntos, esses acidentes somam várias vezes os mortos da tragédia da TAM. Separados, são apenas tragédias pessoais. Precisamos evitar essas mortes.

Lula
Lula só viaja com dois reversos. Mas é porque ele é o presidente. Os outros podem viajar somente com um. Veja só, como concluímos que nossa vida é menos valiosa que a de Lula.

Bahamas
São dois pontos famosos em São Paulo. O Bahamas e um outro. Antes da lei dos outdoors, havia um gigantesco, visível da Avenida dos Bandeirantes, bem ao lado do Bahamas. Agora, com a exposição da mídia, o fato de o Oscar´s Hotel estar na linha dos aviões (o prédio é do mesmo dono do Bahamas), etc., a boate é fechada. Hipocrisia das autoridades. Talvez só mesmo Lula não soubesse (ele nunca sabe mesmo) que ali era uma casa no mínimo suspeita de prostituição. De resto, impossível autoridades não saberem. Um caso de oportunismo explícito. Não defendo a prostituição. Mas condeno a convivência por conveniência com essas atividades ilegais. Assim como é famosa essa boate (e outras), são lenda urbana várias outras ilegalidades nas máquinas municipais, estaduais e federal. Quando esses problemas serão enfrentados? A cada queda de avião é que não pode ser.

domingo, 5 de agosto de 2007

Novidades no cenário

Renan
Mais uma denúncia contra Renan Calheiros. A de ser dono de empresas de comunicação em Alagoas, mas através de laranjas. Veja apresentou cópias de documenros que comprovariam essa condição. É esperar para ver. Mas parece que o gosto pelo cargo vai render ainda boas brigas nessa disputa.

Infraero
Finalmente trocou-se o comando (?) da Infraero. Será que vai adiantar?

Lula
Em mais uma bravata, disse que ninguém coloca mais gente na rua que ele. O blog da Valli pergunta se é ameaça. Demissões?

Veja
Veja apresenta, nesta última edição, duas matérias importantes para discussão. Uma delas mostra um retrato da infraestrutura de transporte no país. A outra compara beneficíos das agências reguladoras no Brasil com a ANAC.

No primeiro caso, é bom lembrar que nada se deteriora instantaneamente. Lula tem razão ao dizer que há pouco caso também tucano nessa história. Mas erra ao se eximir de culpa. Afinal, há cinco anos ele está no poder, e antes desta crise aérea só se preocupou com o Aerolula e com os boracos nas estradas no final do ano passado. Sim, a culpa é dele também.

No segundo caso, há que colocar as coisas no lugar. As agências têm desempenho melhor que a ANAC, pode até ser. Mas estão longe de ser perfeitas. Por exemplo: quanto tempo esperamos para receber nossas contas telefônicas detalhadas? Quanto tempo ainda temos até sermos donos de nosso número de telefone? Sua conta de energia elétrica ainda está alta? São as agências.

Mais Lula
A popularidade de Lula continua a mesma. Inatingível pelas crises e omissões. As pessoas que o apóiam o fazem por causa de uma certa empatia, por sua origem. "É dos nossos". A vida continua difícil, mas ainda o apóiam. As bolsas-várias fazem isto. Bem, ele mesmo disse que os ricos foram os que mais ganharam no seu governo. Como é o governo dele, Lula, acho que, se há alguma coisa errada, é decorrente de alguma ação sua. Ou omissão. Sei lá.

Cariocas Zona Sul
O site Kibeloco trouxe dois vídeos de jovens cariocas jogando ovos pela janela no Rio de Janeiro. Na seqüência, outras pessoas depõem sobre a "diversão". Dentre eles, uma socialite e um funcionário da Globo. Os vídeos foram retirados do ar, foram recolocados e tirados novamente. Dizem que a própria Globo estaria por trás dessa manobra de retirada.

O caso é o seguinte: é uma estupidez. Escondidos pelas sacadas de seus apartamentos, atacam desconhecidos com ovos. A troco de que? Diversão? O mais decepcionante é que seus amigos apóiam, brincam, riem...

Outra: se a Globo retira realmente do ar esses vídeos, aderiu à política Ricúpero: esconder o que é ruim (para si), publicar somente o que é bom. Desserviço.

sábado, 4 de agosto de 2007

Acidentes

Estes dias, indo para São Paulo, logo pela manhã um acidente com um caminhão na Bandeirantes. Impressionante, pois a cabine estava inteiramente destruída, parece não ter condições de sobrevivência àquela violência.

No retorno, no início da noite, outro acidente. Desta vez um caminhão e um Palio, parecia, e desta vez era o carro que estava destruído. Todo retorcido, acho difícil que alguém tenha sobrevivido.

Seria irresponsável deliberar sobre as causas dos acidentes. Mas uma constatação já se pode apresentar: o grande número de acidentes que envolvem caminhões. Que circulam o dia inteiro, com necessidades de encurtar seus horários, abusam da carga de trabalho e da velocidade.

Dias antes, vinha para Campinas pela pista central, a 110km/h Na Bandeirantes (de velocidade máxima de 120 km/h para automóveis e 90km/h para caminhões), quando um caminhão de carga colou atrás do meu carro e passou a dar sinal de luz e buzinar para pedir passagem. Ele estava a mais de 110 km/óbvio. Tudo isto na frente do carro da polícia, que parece não se importar com o assunto.

Como os acidentes de estrada são fragmentados, não impressionam tanto quanto a queda de um avião. Mas matam muito mais. Desde a privatização das rodovias, os policiais não fazem mais aquela fiscalização de parar o motorista, multar, advertir. Na verdade ainda fazem, mas em quantidade que não chega a coibir os excessos.

Caminhões têm poder de destruição muito grande, ainda mais a altas velocidades. Não há solução imediata para esses abusos. Vamos esperar, como resta, que tenhamos sorte.

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Eu não sabia...

Lula não sabia que o caos aéreo existia. Uau! Quero um novo movimento: Alienação Zero!

Comparou o caos a uma metástase, que acontece sem o conhecimento do paciente. No caso, digamos, o paciente já estava no hospital, por pelo menos dez meses, e fazendo vários exames. Os resultados não eram bons. Os médicos faziam cara de desengano. As enfermeiras todas se desvelavam em cuidados. Os parentes, como é normal, resolveram ignorar os sinais.

A mídia, em peso, nacional e internacional, informou a todo cidadão brasileiro o que acontecia nos aeroportos. Preocupou-se quem, claro, utiliza aeroportos. Não deram atenção diversos brasileiros. Uns, preocupados com sua batalha por emprego. Outros, com seu emprego. Outros, com seus mensalões. Com cargos. Com bois. Com política. Com dinheiro. Com holofote. Com tudo, menos com aeroportos e aviões. Dizer agora que não sabia da situação, bem, é de uma alienação de dar dó. Se não fosse o presidente. Neste caso, é de dar raiva.

Outra do presidente: ninguém, nas cinco eleições em que disputou, jamais falou de crise aérea. Ah, entendi. A pauta do presidente é ditada pelos debates em eleição, pelas plataformas dos outros.
Quando "virou" governo, não percebeu, em quatro anos, nada da crise aérea. No início do segundo mandato, quando ela eclodiu, demorou dez meses para sair da letargia e adotar uma ação. Comparado a isto, três dias de silêncio depois da queda do vôo 3054 foi uma agilidade impressionante...

O Brasil está muito próximo de ser uma ditadura. Uma ditadura democrática, se me permitem o paradoxo. Lula reage mal a críticas, e parece querer somente afagos. Quem tem razões para afagá-los (beneficiários das bolsas várias) lhe dá legitimidade para continuar o reinado da fantasia.

Mas tudo bem. Ele não sabia. Ele não sabe. Ele não tinha noção do tamanho da crise. É verdade. Ele não tem noção.

quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Rescaldos

Epa
O atual presidente da INFRAERO declarou que a pista de Guarulhos não é confiável. Detalhe: ele está de saída, pois o novo ministro da Defesa pediu o cargo.

Perguntas:

  1. Se ele fosse ficar, a pista seria adequada?
  2. Se não é confiável, por que os vôo foram alocados para lá?
  3. Afinal, a INFRAERO não participou da decisão de mudar os vôos para lá?

Questões menores, eu sei. Como aquelas que nos perguntamos todos os dias sobre o aeroporto de Congonhas.

Acho que estão encobrindo tudo com cortinas de fumaça. Onde está a opinião de pilotos, do pessoal operacional, dos "especialistas"? A mudança faz sentido? Ou foi somente para aparentar reação do governo?

Esperamos que o novo ministro da Defesa não entre no esquema Ricúpero. Nós não merecemos isto.

Famílias
As famílias das vítimas do acidente da TAM ainda não terminaram seu calvário. Há corpos que não podem ser identificados. O que fazer? Querem enterrar os corpos no local da queda. Que sentido teria levar para um túmulo particular um corpo não identificado?

É, o sofrimento ainda está longe de terminar. Votos de que seja o mais breve possível.

Mangabeira
O novo ministro da SEALOPRA (Secretaria de Ações a Longo prazo) já se aloprou... Aquele que declarou que o governo Lula é o mais corrupto de todos os tempos foi flagrado com um carro oficial, num shopping de móveis. Ao se ver reconhecido, tentou disfarçar, indo em direção a outro carro.

O problema do Brasil parece ser a posição que ocupamos. Automaticamente os comportamentos dos poderosos são assumidos por aqueles que antes os criticavam. Lula, nesse ponto, soube escolher, com raras exceções, pessoas que têm esse ponto em comum: o gosto pelas mordomias.

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Seis por meia dúzia

O atual presidente da INFRAERO declarou que a pista de Guarulhos não é confiável. Detalhe: ele está de saída, pois o novo ministro da Defesa pediu o cargo.

Perguntas:
  1. Se ele fosse ficar, a pista seria adequada?
  2. Se não é confiável, por que os vôo foram alocados para lá?
  3. Afinal, a INFRAERO nã participou da decisão de mudar os vôos para lá?
Questões menores, eu sei. Como aquelas que nos perguntamos todos os dias sobre o aeroporto de Congonhas.

Acho que estão encobrindo tudo com cortinas de fumaça. Onde está a opinião de pilotos, do pessoal operacional, dos "especialistas"? A mudança faz sentido? Ou foi somente para aparentar reação do governo?

Esperamos que o novo ministro da Defesa não entre no esquema Ricúpero. Nós não merecemos isto.

Famílias As famílias das vítimas do acidente da TAM ainda não terminaram seu calvário. Há corpos quee não podem ser identificados. O que fazer? Querem enterrar os corpos no local da queda. Que sentido teria levar para um túmulo particular um corpo não identificado?

É, o sofrimento ainda está longe de terminar. Votos de que seja o mais breve possível.

Mangabeira
O novo ministro da SEALOPRA (Secretaria de Ações a Longo prazo) já se aloprou... Aquele que declarou que o governo Lula é o mais corrupto de todos os tempos