domingo, 8 de julho de 2007

A quem interessa?

Uma das alterações constitucionais foi a que eliminava o limite de 12% de juros . Constava da constituição de 1988 e foi alterada no interesse "do Brasil".

Acho mesmo que estava errado. Era algo como dizer que é preciso chover a cada 12 dias, ou que a lei da gravidade estava revogada. Mas e o resto?

Vejamos: quem foi beneficiado pela medida? Bancos, claro! Que fizeram lobbies e mais lobbies contra o dispositivo constitucional. Ganharam a mudança, ainda na época de Pedro Malan. E estavam precisando mesmo, coitadinhos desses bancos. Como resultado, recordes e recordes de lucratividade nesta terra de Macunaíma. Sem o limite, temos os maiores juros do planeta. A máquina bancária foi enxugada, tarifas e mais tarifas são cobradas, e os lucros estão nas alturas.Impressionante, não é?

Hoje, o presidente do Banco Central é homem dos bancos. saiu de um banco, vai voltar para ele depois do sacrifício de servir ao governo. O que podemos esperar? Medidas em favor do povo? Ou em favor dos bancos?

Os trabalhos são rápidos na esfera legislativa quando envolvem interesses de financiadores de campanha, como bancos e empreiteiras. Você contribui para campanhas? Espere sentado, então, pois nenhuma lei vai ser priorizada em seu favor.

Imagine então se alguma lei vai ser votada visando acabar com essa falta de foco do congresso. Você acha que eles devem fazer suas próprias regras de funcionamento? Você concorda com o fato de não trabalharem às segundas-feiras? Com as despesas de combustível ressarcidas? Com o fato de não terem necessidade de prestar contas a ninguém? Com as férias, merecidas, duas vezes ao ano, além do expediente reduzido?

Pois é, mas esta alteração você não vai ver. Ninguém irá propor que eles não votem em matérias em que sejam parte interessada.

Esta é a democracia, que etiquetamos como única alternativa ao péssimo período da ditadura. Essa democracia está se exaurindo. Quem está se beneficiando? Não o povo, com certeza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário