terça-feira, 31 de julho de 2007

Brasilidades

O Movimento Cansei está sendo visto, por uma parcela da imprensa, como um movimento elitista. E, assim, está sendo desqualificado como representação dos anseios do povo.

Talvez seja verdade que sua representatividade esteja contaminada por seus representantes. Mas na visão de quem quer enxergar assim. Pois é preciso lembrar que no movimento do impeachment de Collor, o pedido foi feito pela Associação Brasileira de Imprensa e pela Ordem dos Advogados do Brasil. Na ocasião, não se disse que eram elitistas ambas as congregações.

Não importa o viés ideológico, não importa o tamanho do bolso, o brasileiro está acuado pela incompetência. De um lado, uma incompetência que reflete a falta de aptidão para governar em nome da coisa pública. De outro, a falta de interesse em fiscalizar, agir contra eventuais transgressores/aproveitadores. Porque estes financiam campanhas, cedem jatinhos, compram terrenos, vendem bois.

O meu Cansei é isto, um grito mudo, de revolta contra essa nosso aprisionamento em regras institucionais e constitucionais, que nos leva a ter de agüentar desmandos e chorar nossos mortos. Sim, mortos, e não somente aqueles dos vôos TAM e Gol. Porque buraco em estrada também mata, assim como morrem na fila de hospitais brasileiros à espera de atendimento de emergência. Este meu Cansei é de uma simplicidade que não cabe no cenário político. Porque ele não precisa de leitura, não precisa de interpretação. Quer dizer, simplesmente, que cansei.

Ora, mas e daí?, perguntou hoje na Folha o excepcional Jânio de Freitas.

E daí, não sei. Mas esta simples constatação é poderosa. Cansei. E não sou rico, não tenho relações promíscuas com o governo, não me beneficio de nossas políticas econômicas, não tenho porque festejar o governo. Mas cansei. Daí...

Nenhum comentário:

Postar um comentário