quinta-feira, 21 de junho de 2007

Irresponsabilidade da comunicação global

Nesta semana, um assunto foi destaque entre os admiradores de animes, mangás e cosplays.
(Para quem não sabe, animes são os desenhos animados japoneses; mangás são os gibis e cosplays são fantasias de personagens que os fãs usam em alguns eventos). Um casal de namorados resolveu fugir, e acontece deles serem fãs dessa cultura japonesa. A Rede Globo, para dar a notícia, recheou as chamadas e as imagens de fundos de pessoas vestidas a caráter e animes, daqueles mais famosos. E deu a entender que o motivo da fuga foi o gosto por essas coisas.

Nem o depoimento da especialista em comportamento adolescente confirmou a mensagem da Globo. Mas isto não a impediu de manter o tom de crítica aos fãs.

Quem lembra do episódio Lula (debate com Collor, há anos) sabe que a Globo traduz o fato segundo seu próprio entendimento e interesse. Os repórteres não se deram o trabalho de pesquisar mais profundamente. Simplemente estamparam o rótulo que lhes pareceu adequado e prestou um grande desserviço a todos, principalmente aos fãs dessa cultura japonesa.

Os fugitivos tiveram problemas que afligem diversos outros adolescentes e tomaram uma decisão que somente alguns tomam. Independentemente de gostarem de rock, xadrez, bolsas prada ou animes. Enfim, é uma saída desesperada que não se exprime nos gostos dessas pessoas. E nunca poderá ser relacionado aos gostos pelos animes.

Primeiro: eu sou um trekker, um fã de jornada nas estrelas. Aqui e no mundo inteiro há convenções de trekkers, aonde os fãs mais entusiasmados vão de cosplays dos personagens. É uma mania que tem seguidores de todas as idades, mas principalmente os mais maduros, como eu. Espero que nenhum fã mate alguém, senão a Globo vai dizer que foi porque era fã de Star Trek...

Segundo: minha filha é uma fã de animes, mangás e cosplays. Quando ela começou a se interessar peo assunto, acompanhei-a a vários eventos, para conhecer melhor o meio(coisa que os repórteres da Globo não fizeram). Foi uma experiência muito rica. O ambiente desses eventos é festivo e de alto astral. Talvez pelo gosto comum, todos se entrosam muito facilmente. Os eventos são um grande encontro de amigos, recheado de momentos de um ótimo humor. Em vários que fui, nunca vi problemas de comportamento. Uma mãe que conheci dia desses me disse que fez a mesma coisa, acompanhou, com o marido, a filha a alguns eventos. E que, num deles, um segurança disse a ela que esse era um tipo de evento dos mais calmos, e que "essa turma não dava trabalho".
Noutra vez, encontrei uma turma de amigos de minha filha, e eu estava tomando um chop. Um deles me admoestrou, de forma respeitosa mas divertida, sobre o mau exemplo que eu estava dando. Isto é coisa de quem tem problemas de comportamento?

Hoje minha filha vai aos eventos sem mim, somente com os amigos, em caravanas. Pelo que conheci dos eventos e dos amigos, ela está em excelente companhia. E os temores que tenho quando ela vai aos eventos não têm nada a ver com o gosto pelos animes, mangás e cosplays. Têm a ver com os riscos naturais que enfrentamos no dia-a-dia.

Ia chamar de preconceito o juízo que a Globo fez. Mas seria uma inverdade. A Globo não se investigou, não pesquisou. Foi mais fácil mostrar um fato recheado de intrpretações erradas. Preguiça do repórter? Acho que sim. Irresponsabilidade editorial, isto sim.

Essa enorme legião de fãs já conquistou meu respeito. Participo do planejamento da ida de minha filhas aos eventos e até a ajudo a fazer seus cosplays. Num desses eventos, torce ela, até eu mesmo irei com um cosplay. Sim, também sou um admirador.

Pena que a Globo, com seu poder descomunal de comunicação, tenha feito essa grande, enorme injustiça. O casal fugiria independente religião, gosto musical, forma de vestir e de pensar. Os fãs de animes, mangás e cosplays não merecem essa inverdade propagada de forma tão irrresponsável.

A verdade é que é um gosto por uma coisa que, além de ser inofensivo, é uma forma lúdica de levar a vida. Diferente? Talvez sim. Mas nem por isto errado ou grotesco.

A reportagem da Globo é pobre, e é um dos piores momentos do jornalismo. E é por isto que não assisto a Rede Globo. Mas devia. E depois, poderia ver, entre assassinos, ladrões, escroques e afins, se eles assistem às novelas da Globo. Quem sabe a culpa não é da novela?

Nenhum comentário:

Postar um comentário