domingo, 24 de junho de 2007

Febeapá

José Simão diz que este é o país da piada pronta. Não há como discordar. E isto me lembrou os livros de Stanislaw Pontepreta (Sérgio Porto), O Fepeapá (Festival de Besteiras que Assola o País). Neles, Sérgio Porto registra, de todos os cantos do Brasil, aqueles fatos que merecem registro, unicamente pelo fato de serem descomunais besteiras. Por exemplo, o caso daquela cidadezinha que, numa homenagem póstuma a uma professora, batizou a nova escola com seu nome. E, na inauguração, o discurso mais bonito foi o da... homenageada...

Se fosse vivo, Sérgio Porto teria uma grande fonte, somente no governo federal, para publicar centenas e centenas de livros. Mas o avanço dos meios de comunicação, e coisa e tal, fez com que as besteiras ficassem mais sofisticadas. Por exemplo:
Relaxa e goza, porque depois você esquece todos os problemas.
De Marta Suplicy, Ministra do Turismo Sexual
É a prosperidade!
De Guido Mantega, sobre a causa do caos aéreo.
Quem chega em Windhoek não parece que está em um país africano.
Lula, elogiando (!!!) a cidade.
É o sub do sub do sub.
Lula, sobre Robert Zoellick, então (em 2002) no Departamento de Comércio Exterior dos Estados Unidos, hoje presidente do Banco Mundial.
Cidade é exportadora de veados.
Lula, em Pelotas (RS), querendo fazer graça.


Enfim, José Simão que se cuide, pois logo ele será um supérfluo. O Brasil já tem piadistas demais. Mas graça de menos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário