sexta-feira, 18 de maio de 2007

Futebol

Uma amiga me perguntou se gosto de futebol. Assunto polêmico. A ele.

Algumas lembranças, antes.

Decisão de um campeonato, Guarani e São Paulo, acho que em 1987. Guarani precisava empatar. Estávamos em três amigos, no estádio do Guarani, em Campinas. No segundo tempo da prorrogação, o resultado estava 2 X 2. Aos treze minutos do segundo tempo da prorrogação, a torcida do guarani já festejava. Gritos de "campeão, campeão", quando Careca pegou a bola e fez 3 X 2 para o São Paulo. Com mais nada de tempo, o guarani viu, assim, o título escapar.
Um de meus amigos chorava. O estádio estava silencioso.
Aí, Careca pegou a taça e o São Paulo começou a dar a volta Olímpica. Ao passar em frente à torcida do Guarani, uma coisa fora da realidade. A torcida levantou e aplaudiu!
Foi uma cena rara e deliciosa. Apesar do desapontamento, a torcida aplaudiu o São Paulo, que foi melhor. E saímos, os três, para "comemorar"... Um instante único.

Noutra ocasião, o jogo era entre Ponte Preta e Corínthians. Estádio da Ponte. Chegamos, e fomos procurar um lugar. Enquanto caminhávamos, uma gritaria... A torcida do Corínthians quebrara uma calçada e começara a jogar as pedras na torcida da Ponte. Vi muita gente sair de cabeça sangrando. Jogo? nem quisa mais saber...
Outra: Guarani e Ponte preta. Começa o jogo, e um jogador da Ponte vem e agride um do Guarani. Expulso, claro.
Mais outra: Guarani e Ponte. Torcedor morre com rojão disparado na sua barriga.

Ok, aí é que eu parei. Acompanhava todos os jogos do guarani em Campinas (porque fanatismo tem limite). Aí, essas coisas foram me desestimulando. E parei.
Comecei a analisar o jogo sob um outro prisma. E conclui que o negócio é muito anti-esportivo. Jogadores que agridem e ainda reclamam do juiz. Provocam brigas. E brigas entre torcedores. Treinadores reclamam, sempre. Enfim, que esportezinho sem fair play.

Gosto de esportes que privilegiam valores. Não é o caso do futebol. Que é usado somente como anestésico para o povo. E são fomentadores de violência. Há muito tempo o futebol é apenas isto: um esporte de massas, mas que fomenta a violência. É, não gosto de futebol.

E ainda não tenho paciência com as copas. Um "espetáculo", mas somente para as televisões. Para atletas, depois chamados de "heróis", nada senão glória pessoal. Quando muito. Na Copa de 94, quem se lembra do avião que chegou entupido de "muamba", e que foi autorizado a passar pela alfândega sem fiscalização (basta ler a Veja da época)? Pois é, são os nossos heróis...

Atravessamoa muma guerra com o Paraguai. Conta que um determinado Marechal cometeu crimes bárbaros, dignos de Nuremberg. Ainda assim, os paraguaios nào têm ódio mortal dos brasileiros. Já a Argentina...
Conheço vários argentinos. Nenhum deles como os das piadas maldosas. Acredito que o futebol criou essa inimizade. Então, esse esporte cria mais rusgas que uma guerra.

Definitivamente, não gosto de futebol...