segunda-feira, 30 de abril de 2007

Exigências e reclamações

A função precípua do Ministério do Meio Ambiente é a preservação da natureza. Em obras grandiosas, sua preocupação deve se dividir entre a o interesse que o país tem nessa obra e a preservação da área envolvida.

Essa polêmica sobre as hidrelétricas na região Norte do país é importante. A ministra Marina é uma das poucas que não aderiram alegremente aos anseios por rapidez do governo. Tem, ao contrário, demonstrado grande persistência na defesa do que acredita ser melhor para o meio ambiente.
Lula reclama, mas devia elogiá-la. Aliás, na leitura do próprio governo, a ministra tem grande credibilidade no exterior, o que é bom para Lula.

Se lembrarmos do episódio do desabamento do metrô de São Paulo, daremos razão a Marina. Na obra de São Paulo, as fiscalizações eram feitas pelas próprias empreiteira. Se o governo quisesse fazer alguma, teria de pagá-la. Então, será que fez? O episódio atingiu Geraldo Alckmin, que, ao que parece, amarrou o cachorro com lingüiça.

O empresário quer mesmo é reduzir o custo da obra. Não importa como. Se a especificação do contrato não é clara, ele usa as brechas e executa a obra da maneira mais barata. Não importa a conseqüência. No caso da hidrelétrica, uma das polêmicas é a sobrevivência dos peixes do rio Madeira. O projeto não tem uma ação preventiva. O ministério está propondo uma. Quem tem razão? O povo da região, acredito, já tem uma posição: preservar o peixe, às vezes o único alimento disponível. Itaipu construiu um canal específica para a travessia dos peixes. Principalmente na piracema, pode-se ver que a preocupação tem razão de ser.

Lula deveria agradecer a oposição dentro do próprio governo. Ela equilibra a ação impensada daqueles que aderem alegremente às festivas ações de Lula. Se tivéssemos mais marinas, com mais poder de persuasão sobre o presidente, talvez a história do primeiro mandato tivesse sido outra. O presidente deveria saber que a diversidade de opiniões, em vez de desagregar, se bem gerenciada, pode aprimorar atos e decisões.

Se bem que, neste governo, é raro vermos atos e decisões...

Nenhum comentário:

Postar um comentário