quinta-feira, 8 de março de 2007

Droga, Precisamos encarar esse problema

Um secretário de Segurança do Rio de Janeiro, certa vez, numa declaração a jornalistas, criticou os usuários de drogas e colocou sobre eles uma grande dose de responsabilidade sobre o estado da criminalidade do Rio de Janeiro.

Esse senhor foi feito Judas em sábado de aleluia. Foi criticado de cima a baixo no país, alvo de colunas de jornalistas, etc, etc.

E eu pergunto: ele estava errado?

O raciocínio é bem simples. O usuário de drogas é alguém que conhecemos. Você não conhece alguém que utiliza cocaína ou maconha? Normalmente é uma pessoa legal, de quem gostamos de verdade. Ele vai a festas, às vezes conosco, participa de algumas de nossas reuniões, enfim, é um amigo. Esse amigo-usuário, de vez em quando, recorre à droga. Onde ele a compra? De um traficante, ou de alguém da linha do tráfico. Esse traficante obteve a droga de algum lugar, e não foi numa igreja. Envolve operações clandestinas pesadas, normalmente associadas a outros tipos de crime. Como há risco, esses criminosos têm de se garantir: andam armados. Para andar armados, compram de algum fornecedor, ora, que ironia, também criminoso. Esses criminosos, aí já sem distinção de qual o tipo de crime cometeram, por vezes investem em outros tipos de crimes, já que têm a arma na mão. E esse crime é, muitas vezes, um seqüestro relâmpago, um assalto a residência, etc, etc.

Ora, está claro que a atividade ilegal daquele nosso amigo está contribuindo para a manutenção desse ciclo vicioso. Se não concorda,vamos nos lembrar da Lei Seca, nos Estados Unidos, no início do século XX. As bebidas alcoólicas foram proibidas, e o álcool tornou-se uma droga ilegal. Nessa época é que proliferaram os gângsters, e houve um aumento escandaloso da corrupção policial. Embora não os chamemos assim, os traficantes não agem como gângsteres? E os policiais, não há os corruptos em quantidade alarmante?

É, acho que esses nossos amigos, que se revoltam conosco quando um dos nossos é vitimado pelo crime, choram e sofrem conosco, não é também um elo dessa cadeia danosa? Acho que nossa complacência em relação ao uso de drogas é criminosa também.

Seu amigo se droga? Você tem muito a perder com isto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário